quarta-feira, 29 de junho de 2011

E a saga continua...

No mesmo dia que decidi deixar de trabalhar na tal agência, fui a uma entrevista num Hotel na Baixa do Porto. Não é um hotel 5 estrelas, mas é um hotel muito bom e até conceituado. 
O director pedia, expressamente, uma pessoa licenciada e que soubesse falar mais do que duas línguas. Ou seja, eu não estava a responder aos anúncios do costume, onde se pede apenas habilitações ao nível do 12.º ano. Depois de quase uma hora de espera (o que se passa com estas pessoas?), o senhor lá chegou. Vinha com uma montanha de currículos e disse que gostou muito do meu e que, ao telefone, eu tinha uma voz muito agradável, factor extremamente importante no cargo de recepcionista. Entretanto, disse que trabalhava à moda antiga e que, se eu quisesse, o emprego era meu. "São 600 euros", disse ele. "Tem dúvidas?" Claro que tinha dúvidas; qual o horário, por exemplo. "Ah, isso é muito simples! 8 h/dia, 6 dias/semana, o horário é das 8h-16h, 14h-22h, 16h-00h. É rotativo, assim como a folga. Não pode ter folgas aos fins-de-semana nem aos feriados. Férias, só entre Novembro e Fevereiro e tem hora de entrar mas não tem hora de sair. Amanhã espero por sim às 9h." E foi embora. 
Uma coisa é eu responder a um anúncio que pede pessoas com o 12.º ano. Outra coisa, completamente diferente, é pedirem habilitações ao nível da licenciatura, mais o conhecimento de três idiomas, e quererem pagar isso. Além de, a meu ver, as condições serem claramente más! Sou demasiado exigente?
Com tudo isto, continuo à procura de emprego...

2 comentários:

zir disse...

Não me parece que sejas demasiado exigente. Se não estás mesmo necessitada de dinheiro bem que podes procurar por um trabalho melhor, mais flexível. O facto de não poderes ter folga aos fins-de-semana e aos feriados é complicado, se bem que estamos a falar de um hotel. Enfim, boa sorte na procura.

Alix disse...

pois é, tanta exigência para um ordenado tão pequeno. mas há quem tenha de aceitar.

eu fui a uma entrevista para a recepção também, e sou licenciada, e só me ofereceram o ordenado mínimo, e exactamente com esses horários rotativos, mas ainda tinha turno da noite. de resto era igual. em relação a ti ainda te ofereceram mais. isto está mesmo mal. querem o trabalho (bem) feito e pagar mal, depois desculpam-se com a crise. e cm a crise muita gente aceita qualquer trabalho, a verdade é essa, porque há pessoas que não têm ajudas de ninguém e não podem recusar, e as entidades patronais sabem nem disso.