quinta-feira, 18 de março de 2010

Nós e os gregos#3

Ora então vou contar o que se passou com os idiotas dos gregos.

Nós e os gregos conhecemos-nos numa aula de Abilità Informatica. Nessa aula, o professor disse que era arqueólogo e não informático e, por isso, iríamos apenas fazer um exame em Março, onde simplesmente ele nos ia dar uma nota. Na altura, perguntámos se eles conheciam mais gente, se eram só os três gregos. Sim, somos só nós os três. Não conhecemos mais ninguém.

Ontem, foi o dia do tal exame. Quando chegámos, a senhora da secretaria mandou-nos esperar numa salinha onde estavam os outros alunos que fariam exame. Como ontem só iam fazer exame os Erasmus, achei muito estranho estar lá uma rapariga que eu não conhecia. Mal nos viu entrar, meteu conversa connosco. E disse que era grega. Claro que perguntei logo se ela sabia que havia mais colegas gregos e ela respondeu: Sim, o M., a A. e a G. Andámos todos na mesma faculdade. Eu e a A. até viemos juntas para aqui. Acho que me "caiu" tudo. A A. tinha-me contado a aventura que tinha sido a viagem dela, porque foi para Roma, depois Bologna e só depois Ravenna. Eu e a A. ficámos impressionadas. Coitada, isso tudo sozinha. Ela não foi capaz de dizer que não veio sozinha. Disseram que vieram os três separados. 
A rapariga, que se chama M.E.,  vive um bocadinho longe do centro, com uma senhora de cerca de 60 anos e não conhece ninguém Ninguém. Dá para imaginar? Quase há dois meses aqui sem nunca ter estado com ninguém? Mal chegaram as outras espanholas, começámos logo a conversar e ela pediu para sair connosco. Na primeira vez que conversámos. Conseguem imaginar? Eu fiquei tão chateada. 

Entretanto chegaram os gregos e a B., espanhola, perguntou porque é que eles não tinham dito nada sobre aquela colega. Eles simplesmente encolheram os ombros. Filhos da mãe. Tudo bem que até podem nem se dar bem na Grécia e tudo mais. Provavelmente, se viesse com algumas pessoas da minha faculdade também não iria querer grandes convívios. Mas quer dizer, vieram para um país diferente, onde eles são as únicas pessoas que partilham a mesma língua. Caramba, podiam ter dito, pelo menos, que havia mais uma pessoa. 

Eu tive a infeliz ideia de perguntar à M.E. se já conhecia outras cidades, e ela disse, como é óbvio que não. E que ficou muito triste porque viu, pelo facebook, que eles foram a Veneza e não a convidaram. Coitada.

Ficámos todas tão chateadas com eles que já nem os convidámos para vir connosco à festa de St. Patrick's Day. Mas a M.E. veio.
 

9 comentários:

- c. disse...

Há gente mesmo parva. Peço desculpa pela palavra usada mas só me veio isto à cabeça. Eu era incapaz de fazer isso a alguém, até porque não gostava que mo fizessem a mim. Mas existe, infelizmente, quem só olhe pelo seu bem estar. Enfim...

Gostei da tua atitude! De ceretza que melhoraste a vida da M.E.

=)

- c. disse...

P.S: Obrigado =) Isto está difícil mas não se pode desistir.

SillyTalk disse...

São gregos e basta! ; )

Kahkba disse...

Essa imagem ! Qe meedoo !
Estou mesmo a ver para onde vais viver num futuro não muito longínquo: Grécia, claro ;p

Daniela Malmequer ♥ disse...

Não sei o nome, é qualquer coisa do Mar :D

S* disse...

Oh coitadas!

Miss me disse...

Há pessoas muito parvas por aí. Mesmo que não gostassem da rapariga, não tinham que fazer tal coisa. Podiam não andar com ela, mas ao menos diziam que havia mais alguém! Tiveste uma excelente atitude ;)

um beijinho*

Jane Campbell disse...

Que ranhosos esses também.Fizeram bem em não convidá-los.Coitaditos, vão aprender com a vida,dá-lhes tempo.
Um beijinho da Jane.

pintas* disse...

ei....que cena.
A serio? Como é possivel haver gente assim...enfim